Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

No meu Palato

No meu Palato

Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018 | A elegância do ouriço

"Faz-se o silêncio, ouve-se o vento que sopra lá fora, as folhas de outono sussurram e voam, o gato dorme sob uma luz quente. E, em cada gole, sublima-se o tempo. E assim nascem parcerias e amizades felizes." Muriel Barbery

Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018A elegância do ouriço, escrita por Muriel Barbery, é dos livros que mais me surpreendeu ultimamente, sobretudo por o ter escolhido para ter um livro menos denso, mais leve e descontraído no conteúdo. Apesar de ter encontrado tudo isso encontrei, paradoxalmente, também um texto carregado de arte, de cultura, de vida, de filosofia, das diferentes filosofias da vida e até das vidas complementares da filosofia. (Fez-me recordar, um pouco, o filme parasitas que ganhou nos Óscares deste ano a estatueta para o melhor filme.)

Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018É num prédio situado num bairro chique de Paris e frequentado por uma burguesia rica (e um quanto ou tanto snobe), que decorre esta emocionante história contada a duas vozes. Alternadamente, as duas protagonistas, Renée Michel e Paloma Josse, vão dando-nos a conhecer o seu bairro e as pessoas que as rodeiam.  Por um lado, Renée é uma porteira de 54 anos, viúva, baixinha, feiinha e gordinha, com aquele estereótipo da mulher rabugenta e insignificante que perambula entre a elite intelectual de Paris.

Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018Por outro lado, os leitores partilham um segredo com Renée, esta aparentemente "simples" porteira é na verdade uma cultíssima autodidacta e apaixonada pela pintura naturalista holandesa, por filosofia, pelo cinema japonês. Gosta de ouvir Mozart e é uma devoradora de livros, lendo sobretudo pensadores como Marx e Hussel. Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018Paloma é uma adolescente de 12 anos, astuta, sobredotada e com uma "esperteza" letalmente mordaz . Esta menina percebe mais do mundo à sua volta do que aquilo que aparenta, contudo deseja suicidar-se no dia do seu décimo terceiro aniversário por se recusar a entrar para o mundo adulto tão cruel, desumano e frívolo.

Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018Ambas, mulher e criança, acabam por se conhecer e perceber que se encontram deslocadas das suas próprias realidades e criam juntas uma espécie de universo paralelo (e interior) para conseguirem explicar o quotidiano. Muriel alterna a narrativa com pensamentos filosóficos de maneira acessível e o gosto culturalmente rico de Renée , conjugando-os com a curiosidade implacável, corrosiva e inteligente de Paloma. 

Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018É um livro delicioso, com um humor bastante inteligente, transmissor de sentimentos delicados e cuja narrativa resulta de um excelente enquadramento literário/filosófico. Todo ele, é pincelado, palavra a palavra, com força, rusticidade e tensão; mas também com elegânica, bom gosto, substância e sofisticação. Por isso, o achei um bom enquadramento literário para o "bipolar" Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018 (65€, 94 pts.).

Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018Um vinho quase opaco com auréola violeta. Carrega aromas de lavanda, mirtilos, alcaçuz e chocolate After Eight. No palato é mineral (xisto quebrado), complexo, acertivo, com uma acidez entusiasmante e exibindo dupla personalidade: é intenso, estruturado, firme e com taninos aguerridos mas ao mesmo tempo, é fino, terrivelmente elegante, nobre e genuíno, atrevo-me mesmo a dizer que tem aquela altivez de porte das elites vínicas.

Churchill’s Quinta da Gricha Vintage Port 2018É um vinho para beber em silêncio, ouvindo o vento que sopra lá fora e em que a cada gole, se sublima o tempo, assentam parcerias e fortalecem amizades felizes. É um bom exemplo da nova geração de vintages que já dão uma prova muito bonita, mas que têm tudo para evoluir favoravelmente durante umas boas décadas em garrafa.

"Faz-se o silêncio, ouve-se o vento que sopra lá fora, as folhas de outono sussurram e voam, o gato dorme sob uma luz quente. E, em cada gole, sublima-se o tempo. E assim nascem parcerias e amizades felizesÉ como a porteira do livro que vos falei hoje:  "A senhora Michel  tem a elegância do ouriço: por fora, é crivada de espinhos, uma verdadeira fortaleza, mas tenho a intuição de que dentro é tão simplesmente requintada quanto os ouriços, que são uns bichinhos falsamente indolentes, ferozmente solitários e terrivelmente elegantes."

Com esta bivalência no palato combinei este vintage com uma mistura de queijos, nozes e compota de tomate cereja; e com um  Bolo de Chocolate com Chantilly de Porto. Passou com distinção em ambas as hamonizações.

Bolo de Chocolate com Chantilly de Porto Rubi:

-Pré-aqueçam o forno a 180 graus (com ventilação) e untem e enfarinhem uma forma com  +/-  20cm de diâmetro. Derretam 450g de chocolate (70% de cacau)  e a manteiga (100g) em banho-maria. Separem as gemas das claras (de 8 ovos)  e façam uma gemada com as gemas e 80g de açúcar. Batam as claras em castelo, adicionem as 2 colheres de açúcar e vão batendo até se formarem picos firmes. Incorporem a mistura do chocolate nas gemas, depois façam o mesmo com as claras. Levem ao forno por 45 minutos (confirmem com um palito que o bolo esteja cozido). Decorem com açúcar em pó peneirado.

- Para o chantilly adicionem o açúcar  (60g) e o vinho do Porto Rubi (80mL) nas natas e batam até ficar bem firme  (ponto de chantilly). Não deixem passar o ponto senão ficam com uma manteiga ;)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.